Conteúdos

Assistência técnica humanizada é diferencial na relação entre empresas e suinocultores

24 de Junho de 2021 Assistência técnica humanizada é diferencial na relação entre empresas e suinocultores

Reconhecida pela vocação  para a  suinocultura, a região de Toledo atrai empresas de portes diversos do setor de proteína suína que estabelecem parcerias com os produtores na criação dos animais. Quem faz a ponte entre as empresas e os produtores são os técnicos, ou profissionais de campo,  num trabalho  de assistência técnica que consiste  em visitas de rotina às propriedades, observação das necessidades de cada lote de animais, se é de manejo, de sanidade, enfim, prestando auxílio ao produtor para melhorar os resultados. Tudo para que o produtor tenha um bom desempenho zootécnico, o que vai gerar mais renda para ele e, consequentemente, para a empresa.



Mas, indo além dos números e dos assuntos práticos relacionados  à criação de suínos, um outro aspecto vem ganhando força dentro dessa relação de profissionais de campo e criadores e que envolve justamente o lado humano, a empatia, a proximidade de um trabalho de assistência técnica baseado em práticas humanizadas, com um olhar voltado para além  do produto final.



E é justamente a assistência técnica humanizada que tem feito a diferença no dia a dia de 120 produtores de suínos da região que são integrados do RPF Group, ou seja, destinam suas criações exclusivamente para a empresa – que  é a quarta maior produtora de proteína suína do Paraná  e abate atualmente cerca de 3.100 cabeças por dia em duas unidades, nas cidades de Ibiporã e Bocaiúva do Sul. Hoje toda a criação do grupo está concentrada na região de Toledo.



O diferencial, segundo os produtores,  está no fato de os técnicos entenderem as necessidades de cada granja e construírem soluções customizadas, além de dedicar tempo para outras questões, como gestão da propriedade, financeiro, organização e boas práticas.



O produtor Fernando Scholz Slongo, que tem uma granja de Terminação com 5.200 suínos, é um dos que faz boa ‘propaganda’ dos serviços prestados pela empresa. “Estou muito satisfeito com o atendimento técnico que recebo na granja. Os técnicos estão sempre atentos para resolver qualquer problema que possa surgir e, quando não há dificuldades, fazem um ótimo acompanhamento dos animais. Aliás, não é somente a equipe de campo que desempenha um bom trabalho, mas toda a equipe da RPF, seja no campo ou na administração”, disse à reportagem.



Dona Iracy Zaura, que administra junto com o marido Serafim uma granja de 1.000 suínos, também em fase de Terminação, compartilha do mesmo ponto de vista. “A assistência técnica da empresa é ótima. O pessoal que faz o atendimento é excelente. Não tem como reclamar de nada, pelo contrário, só tenho a elogiar. Os técnicos são pessoas simples, amigáveis e compreensivas. Gostamos muito deles. São todos nota dez”, sentencia a produtora.



Se para os produtores, a assistência humanizada faz grande diferença, para os técnicos também. Segundo Luana Bombana, médica-veterinária e sanitarista da empresa,



a extensão humanizada permite ao profissional impactar positivamente na vida de outras pessoas.



Troca de conhecimento e empatia



Luana lembra que na empresa existem padrões operacionais, mas eles não  limitam a troca de experiências. “Temos integrados que produzem suínos há 30, 40 anos, e que acabam passando conhecimento para os técnicos. Nossa equipe de campo é aberta à troca de ideias com o produtor, a ouvir o que ele tem para dizer, sem impor padrões rígidos”.



Outro ponto que fica muito claro na relação entre os técnicos e produtores e que colabora para os bons resultados nessa parceria é a questão da empatia, que implica em ouvir e buscar atender verdadeiramente o outro. “A gente sempre tenta se colocar no lugar do outro, lembrando que todos têm problemas. Eu costumo dizer que hoje não tem mais como separar trabalho e vida pessoal. A pessoa que trabalha é a mesma que convive com a família, então, é claro que eventuais problemas vão impactar na realização e produtividade do trabalho realizado. Nas granjas é a mesma coisa. Quando o produtor tem qualquer problema, isso pode influenciar no tempo e no desempenho que ele direciona aos animais”, destaca Luana, e complementa: “Tentamos entender aspectos pessoais dos produtores porque, além de realmente nos importarmos, muitas vezes detectamos problemas no lote que são reflexos dessas situações”.



Ela conta que muitas vezes chega à granja e o produtor não quer falar sobre suínos, ele quer desabafar. Por estarem em locais afastados, muitos deles quase não falam com outras pessoas e sentem falta desse contato presencial, de conversar. Por isso, é comum que o técnico acabe empenhando mais tempo em assuntos que não dizem respeito aos suínos, como lavoura, doenças, família, do que nos dados técnicos. “Para o produtor, esse tipo de atendimento faz com que ele se sinta importante. Ele percebe que nos preocupamos com ele e não apenas com o trabalho que realiza com os nossos animais”, enfatiza a sanitarista.



Ciclo virtuoso



O gerente de Fomento e Integração da RPF em Toledo, Daniel Meltz, reforça que, além de oferecer uma assistência humanizada, técnica e assertiva, a equipe de campo também trabalha de forma menos burocrático junto aos produtores. “É um ciclo: nossa assistência proporciona mais satisfação aos integrados, que entregam seu melhor à atividade. O bom trabalho dos produtores garante a sanidade e produtividade do plantel, o que, por sua vez,  se reflete na qualidade dos produtos da RPF”, exemplifica.



Meltz vê o trabalho técnico da RPF como um diferencial capaz até mesmo de fazer frente à concorrência na região. “Hoje temos 11 empresas no mesmo segmento no Oeste do Paraná, muitas delas maiores que a RPF. Por isso, trabalhamos com nossa equipe técnica e de apoio para ter um atendimento voltado à parceria com os produtores, discutindo e analisando em conjunto as melhores formas de trabalho. Dessa forma conseguimos ganhar muito mercado na região, pois os produtores estavam carentes de uma assistência técnica mais aberta e humanizada”.



Assistência completa



Na região de Toledo, a RPF atende produtores que atuam em todas as fases da suinocultura: Unidades Produtoras de Leitões (UPLs), Creche e Terminação. Nas UPLs ficam as matrizes e leitões com até 28 dias. Perto dos 30 dias os ‘bebês’ são desmamados e vão para a segunda fase, que é a Creche. Essa fase dura de 38 a 40 dias. Os animais chegam ali com aproximadamente 7 quilos e ganham em torno de 18 quilos, saindo para última fase ao atingirem, em média, 23 quilos. Na Terminação, os suínos permanecem até atingir 120 quilos e, depois, seguem para o abate.



Porém, outras duas etapas muito importantes antecedem as fases já citadas e também contam com a assistência técnica da RPF: a Central de Sêmen e o Quarto Sítio. Luana Bombana explica cada uma delas. “Na Central, que é uma granja de ciclo contínuo, mantemos produtivos em torno de 45 a 50 machos de alta genética. Lá fazemos a coleta, processamento e envase de semên em laboratório. Esse material vai para o Quarto Sítio, onde é realizada a inseminação artificial das matrizes. São fêmeas adquiridas de uma empresa de genética que chegam com 160-180 dias. Neste local elas são inseminadas e mandadas para os produtores de UPLs após confirmação da prenhez (por volta de 42 dias depois da inseminação), esclarece.